quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Jumanji: Bem-Vindo à Selva

É verdade que nossa atual era dos remakes e sequencias de Hollywood que visam meramente o lucro, são uma ameaça constante à clássicos e favoritos de infância. Jumanji: Bem-Vindo à Selva sequencia de Jumanji (1995), clássico da Sessão da Tarde com Robin Williams, recebeu desconfiança desde que fora anunciado. Felizmente, o projeto com Dwayne "The Rock" Johnson e Jack Black, consegue divertir e renovar a franquia sem agredir a memória dos fãs, e traz até alguns toques de nostalgia.

É 1996 quando outra pessoa encontra o tabuleiro de Jumanji, que é imediatamente é deixado de lado, incapaz de competir com os video-games. Para igualar a disputa o jogo mágico se transmuta em um game da década de 1990 (sim, o bom e velho cartucho). Em 2017, um grupo de adolescentes/estereótipos do high-school estadunidense, está em detenção quando encontra o velho game no porão da escola. Uma opção muito melhor que cumprir o castigo a molecada decide encarar uma partida e são sugados para dentro do jogo, se transformado em seus avatares.

O nerd Spencer assume a identidade do Dr. Smolder Bravestone (Dwayne Johnson). Fridge, astro do time de futebol americano é relegado ao papel do ajudante e biólogo de Bravestone, Moose Finbar (Kevin Hart). A garota inteligente com poucas habilidades sociais Martha, vira o cliché feminino em games Ruby Roundhouse (Karen Gillian). Enquanto a garota popular do colégio Ruby Roundhouse (Karen Gillian) assume a pele do cartógrafo Shelly Oberon (Jack Black). As regras são claras, a molecada tem que terminar o jogo para poder sair, e claro, eventualmente vão lidar com alguns dilemas dos estereótipos que representam no mundo real.

Apesar do personagem de Johnson ser claramente o "lider", todos em cena tem seus arcos e característica bem distintas. Os dilemas não são muito profundos ou originais, é verdade - e nem pretendiam ser, afinal isto é uma aventura escapista de verão - mas o tempo de tela dedicado à cada um é o ponto forte na criação da empatia com expectador. The Rock tem um grande carisma, mas está ciente de não um Robin Williams. Logo ao invés de tentar carregar o filme sozinho, ele cerca seu protagonista de um bom elenco.
Gillian (de Doctor Who e Guardiões da Galáxia) acerta no timing das piadas de sua personagem, muitas acertadamente relacionadas aos estereotipados personagens femininos em games. E Nick Jonas, não deixa sua persona popstar se sobrepor ao personagem. Mas é Jack Black quem rouba a cena interpretando uma adolescente, cheia dos exageros de sua geração. O ponto fraco fica por conta das repetitivas piadas de Kevin Hart, a maioria relacionadas ao seu "encolhimento" e diminuição de força. Nada que comprometa demais a comédia.

Assumidamente mais cômico que seu antecessor, assumindo um tipo de aventura mais parecido com os longas atuais, que com as aventuras da década de 90. Ainda sim, não faltam referências para agradar os fãs do filme original, e para reafirmar que se trata de uma sequencia, mesmo que completamente diferente. Também há espaço para referências à clássicos do fim do século passado como Indiana Jones e Clube dos Cinco.

Os efeitos visuais estão de volta, e parecem artificiais em algum momento. Não que isso seja um erro. a escolha por efeitos mais "caricatos" podem ser atribuídas ao fato de se tratar de um game de 1996, ou mesmo uma referência aos efeitos do Jumanji original, revolucionários para época,  hoje datados.

E por falar na estilo video-game da aventura, ela traz características clássicas dos jogos como os NPCs (personagens não jogáveis, mas com que o jogador precisa interagir para avançar). Além de um vilão com motivações fracas para disfarçar sua real função na narrativa, impulsionar os jogadores. Van Pelt está de volta, agora na pele de Bobby Cannavale (Jonathan Hyde, interpretava uma versão bastante diferente do vilão em 1995).

Curiosamente Jumanji: Bem-Vindo à Selva é uma divertida e boa adaptação/paródia de um video-game, que não existe. Perdeu o charme do jogo de tabuleiro é verdade, mas ainda é leve, despretensioso e divertido, não ofende a inteligência do expectador muito menos sua memória afetiva. Uma grata surpresa neste universo de remakes e sequencias muitas vezes de qualidade duvidosa.

Jumanji: Bem-Vindo à Selva (Jumanji: Welcome to the Jungle)
2017 - EUA - 119min
Aventura/Comédia


P.s.: Eu ainda jogava jogos de tabuleiro em 1996. E ainda toparia uma partida do Jumanji tradicional hoje em dia. Alguém se habilita?

Gosta do Jumanji original? Leia este especial sobre o filme que fizemos no blog parceiro DVD, Sofá e Pipoca.

0 comentários:

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top